JOSE RIBEIRO DE OLIVEIRA
RETALHOS DO TEMPO
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos ÁudiosÁudios E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda PrêmiosPrêmios Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos

O BRASIL PRESO PELO RABO
        
(José Ribeiro de Oliveira)


 
Não há terra mais fértil
Do que este vasto chão
Que Cabral redescobriu
E Portugal lançou mão

Não há povo mais gentil
Nem esperança mais forte
Que grita em peito servil
Por dia de melhor sorte

Não há no mundo riqueza
Por natureza tão plena
E nem existe beleza
Que seja igual e serena

Mas todo esta beleza
Parece existir em vão
Por ser fértil a avareza
E a vil corrupção

Como podem os milhões
De cidadãos probos e honrados
Por minoria de ladrões
Viverem tão massacrados

Corruptos são festejados
Dizem que roubam, mas fazem
Se alcançam o poder, só roubam
E quantas angustias trazem

Não há vírus mais mutante
Que o da desonestidade
Nem covardia mais berrante
Promovendo iniqüidade

E não se salva um somente
Que alcançar o poder
Assim como uma semente
Corrupto lá vai nascer

E nesse Brasil tão grande
De um povo tão varonil
É triste ver seu desande
Por tão nocivo covil

E a exuberante riqueza
Que o mundo inteiro venera
Sucumbe pela torpeza
Da esperteza que impera

Oh Brasil meu Brasil
Tu és de Deus, não do diabo
Não deixa que este covil
Te segure pelo rabo.

"Para acabar com a orgia,
A verdade grossa e curta:
Voltarmos à monarquia.
Uma só família furta."
Professor José Ribeiro de Oliveira
Enviado por Professor José Ribeiro de Oliveira em 13/06/2018


Comentários